Skip to content
setembro 24, 2009 - 1:10 PM / Rafael G.

Crosta de estrela é 10 bilhões de vezes mais forte que o aço, diz estudo.

Tá na hora de começar a tocar o blog pra frente e começar a falar de assuntos variados e não somente de informática.😀

Modelos de computador indicam que estrelas de nêutrons têm o material conhecido mais forte do Universo.

Uma pesquisa da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, sugere que a crosta exterior das estrelas de nêutrons, corpo celeste formado pela que sobrou de algumas estrela em fim de vida após várias explosões, é formada pelo material mais resistente do Universo, dez bilhões de vezes mais forte que o aço.


Concepção artística mostra como seria uma estrela de nêutrons (Foto: Casey Reed/Penn State University).

Concepção artística mostra como seria uma estrela de nêutrons (Foto: Casey Reed/Penn State University).

Os cientistas americanos criaram simulações em computador para determinar a resistência da crosta da estrela, e descobriram que a crosta pode aguentar até dez bilhões de vezes a pressão necessária para romper o aço.

“Parece dramático mas é verdade”, afirmou um dos cientistas que participou da pesquisa, o professor do Departamento de Física da Universidade de Indiana Charles Horowitz.  A pesquisa foi publicada na revista especializada “Physical Review Letters”.

Toneladas numa colher
Estrelas de nêutrons têm uma gravidade altíssima e podem girar até 700 vezes por segundo. São estrelas maciças que entraram em colapso depois da paralisação da fusão nuclear e da produção de energia em seus centros.

A única coisa mais densa que uma destas estrelas é um buraco negro. Para se ter uma ideia de sua densidade, uma colher de chá de matéria de uma estrela de nêutrons pesaria algo em torno de 100 milhões de toneladas.

“Criamos um modelo de uma pequena região da crosta de uma estrela de nêutrons seguindo os movimentos individuais de até 12 milhões de partículas”, explicou o professor Horowitz. “E então calculamos como a crosta se deforma e, finalmente, se quebra sob o peso extremo de uma montanha de uma estrela de nêutrons.”

Estas “montanhas” seriam irregularidades na superfície de estrelas que ajudariam a criar ondas gravitacionais que, teoricamente, poderiam alterar o espaço-tempo.

O trabalho foi realizado pela Universidade de Indiana e pelo Laboratório Nacional de Los Alamos, no Novo México.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: